A mania de filho pródigo pode ser perigosa

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

É fato que em uma sociedade capitalista a busca pelo prazer imediato e a satisfação da pseudonecessidade é o que comanda as relações de consumo, consequentemente a demanda por dinheiro aumenta na medida que nossos desejos nascem, crescem e morrem, leia-se, concluam-se. As ações de marketing, notadamente as agressivas, não no sentido pejorativo da palavra, são as grandes responsáveis pelo consumo desenfreado, claro que não se isenta de culpa o consumidor inconsciente. Ainda que exista aquele romantismo de consumo sustentável por parte das empresas, o que elas querem na verdade, é vender e vender mais, muito mais e nós administradores sem hipocrisias, estamos estudando e trabalhando dentre outras finalidades também para isto.

Vamos atravessar a fronteira do empresário e adentrar na área do consumidor, algo que todos nós somos, seja mais leve ou mais intenso. É notável que falta ao brasileiro o mínimo de educação financeira e ela não serve apenas para ser conversada nas salas de aula, a educação financeira é um dos assuntos mais influenciadores do dia-a-dia do que muitos outros, pois o pobre e o rico tem a necessidade de usá-la das mais diversas formas. Ao contar as moedas para o almoço no R.U. (Restaurante Universitário) ou planejar a compra do carro, estamos lidando com as regras da saúde financeira que cada indivíduo possui.

O planejamento financeiro é algo muito valioso, pois trata da melhor utilização de recursos que são escassos, envolve decisões, ponderações, análises dos efeitos, custo-benefício e outros. Se todo brasileiro pensasse antes de gastar o suado dinheiro as taxas de endividamento seriam bem menores e por consequência as de inadimplência. Contudo o que se vê é exatamente o contrário, as pessoas gastam o que não tem, endividam-se, sofrem as consequências das dívidas e como resultado, perdem a qualidade de vida em vários aspectos. Existem muitos livros de educação financeira todos falando a mesma coisa de maneira diferente, mas não existe fórmula mágica para ser uma pessoa planejada, criteriosa e que tenha a saúde financeira em dia: gaste menos do que recebe, poupe e faça este dinheiro render, para melhorar reduza seus custos ou aumente suas receitas, simples assim.

O triste e cômico algumas vezes, é ver as pessoas gastarem o que não tem, comprando o que não pode, para impressionar pessoas que não gostam. Não é raro ver as pessoas te olharem de modo meio estranho quando você é equilibrado e racional nos seus gastos, é tido até como avarento e este tipo de reação chega até inibir atitudes corretas na hora do consumo. A ciranda da aparência a todo custo em detrimento do ser é muito perigosa. A busca pelo luxo e a necessidade de ostentação fazem com que muitos no futuro caiam em ciladas do próprio jogo financeiro. Não é errado querer “o que é bom”, pelo contrário, está mais que certo, no entanto o bom senso e ter consciência das suas possibilidades naquele momento continua sendo o ideal.

Fonte: Administradores

Deixe uma resposta

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×