As “N” (ou “n”) razões para a quebra de uma empresa

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Atualmente é muito comum, por vezes pela didática, visando melhorar nossa comunicação com o mundo em geral, identificarmos uma quantidade de passos que nos fazem chegar à um determinado resultado ou mesmo justificar uma determinada situação: Os 10 passos para emagrecer; às 10 razões um divórcio; etc.

Recentemente um interlocutor me solicitou as 10 razões (entendi como sendo as principais) para a quebra de uma empresa.

Minha primeira reação foi a de iniciar uma lista iniciando-a pela abertura de negócios e quando estivesse chegando próximo a 10ª aumentaria a abrangência dos itens, mas não cheguei na 3 razão. Minutos depois percebi que não deveria ter ido para 2ª.

Talvez para definirmos um processo seja mais factível definirmos uma quantidade limitada de passos para o mesmo. Mas para justificar ou identificar as razões para uma determinada situação … ?

Após tantos anos tratando com pessoas em todos os níveis profissionais em processos de reestruturação e recuperação de empresas, e tendo verificado que ou autores de livros sobre “Turnaround” mencionam constantemente a importância de profissionais experientes na matéria durante tal processo e aliarmos à isso, as “n” possibilidades de reação de uma pessoa (comum ou complexa não importa neste momento), poderíamos encontrar reações e situações que tendem ao infinito.

Nesta hora podemos nos questionar:

Como podemos limitar e mesmo generalizar, as razões para uma situação tão complexa ?

Primeiro passo poderia usar palavras ou alvos de nossa análise mais abrangentes. Falar sobre “macro” gestão, focar em ações comumente sob responsabilidade de um presidente ou diretor geral. Ou ainda tentar fugir da discussão de processos mais específicos ou mesmo de detalhes do dia a dia de uma empresa.

DESISTO !!!!

Apesar do longo período que atuo na área e mesmo não me lembrando de pergunta para a qual não tenha tido uma resposta, mesmo que tenha sido aquela clássica “me dê um tempo para pensar”, não vou cair na tentação ou mesmo utilizar meu tempo para tal.

Pragmaticamente e sabedores de algumas características da quase totalidade de empresários ou responsáveis por empresas com problemas (além do normal), talvez seja mais relevante e caso seja possível devido à complexidade, trabalhar em um método e sua divulgação para orientar estes profissionais a resolver os seus problemas (e até mesmo das empresas).

De qualquer forma em uma última reflexão sobre os “n” motivos para uma empresa quebrar, penso que isso geralmente acontece porque o responsável pelo comando não teve percepção suficiente no atacado e consequentemente ações no varejo, logo:
Quebra = f(“N”;”n”)

Fonte: Administradores

Deixe uma resposta