Brinde: com que roupa nova eu vou?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Certos brindes nunca saem de moda. Mas, às vezes, precisam de uma nova roupagem para continuar inesquecíveis

Não existe mercado totalmente estável. Principalmente na era da globalização, em que as decisões são tomadas na rapidez de um click. Esse cenário também é real no mercado de brindes. Mas o segmento tem uma característica positiva: existem brindes que nunca saem de moda. É o caso de canetas, ímãs, chaveiros, camisetas, entre outros. A única diferença é que, na maioria das vezes, esses objetos necessitam de uma nova roupa para permanecerem na lembrança de todos. Uma nova (e grande) ideia, e o produto continua vivo – como sempre. E os empresários do setor devem ficar atentos para isso. Um exemplo interessante aconteceu nos Estados Unidos.

Jared Golden e Amish Tolia eram dois jovens estudantes da Universidade de Indiana. Queriam um patrocinador para diminuir os custos da camiseta do time de futebol da universidade. Tiveram uma ideia e desenvolveram um negócio: embutiram um código BiDi ou código QR em uma camiseta (o código contém informação codificada que os telefones móveis podem ler). O dispositivo esconde uma ação promocional, que ultrapassa o ícone da marca impressa na camiseta, e o transforma na própria estampa. É só escanear a imagem com um smartphone para visualizar a brincadeira digital, e acessar informação exclusiva, além de participar de promoções.

A empresa nascida da necessidade e da amizade já desenvolveu campanha promocional para a Axe, na conferência dos melhores times de futebol das universidades americanas. As camisetas são distribuídas aos jogadores e os colegas que identificarem outros amigos com as mesmas t-shirts participam de promoções. Quem joga acumula pontos, que são convertidos em um prêmio maior no final da competição.

Assim, a camiseta permanece como brinde eterno, capaz de agradar a todos, e ser fundamental para uma campanha promocional. Os profissionais de marketing podem seguir o rastro dos dois estudantes americanos e descobrirem antigas fórmulas de encontrar o produto estratégico (mas já conhecido), que saiu do forno agorinha.

Por Vinícius Miguel Costa – Grupo Bríndice

Fonte:
www.promoview.com.br

Deixe uma resposta