Copa e Olimpíadas geram negócios e empregos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Com a proximidade da Copa do Mundo e a expectativa diante das Olimpíadas, o momento é de ebulição não só para os atletas, mas também para quem lida diretamente com esporte. Nas agências de marketing esportivo, por exemplo, o volume de trabalho aumenta à medida que a contagem regressiva para os eventos se acelera.

Para atender à demanda cada vez maior de empresas interessadas em fortalecer suas marcas por meio do esporte, muitas já pensam em ampliar seus times de colaboradores.

É o caso da Off Field, agência paulista de promoção especializada em futebol.
Criada há mais de três anos, a empresa conta, atualmente, com 20 funcionários.
Diante da perspectiva de crescimento de 180% somente este ano, os diretores estão em busca de profissionais qualificados no mercado, principalmente na área de produção e atendimento.

“Procuramos pessoas com boa formação em administração e publicidade e que tenham domínio de inglês, informática e experiência no mercado promocional.
Também é importante gostar de futebol,” diz Eduardo Corch, diretor de planejamento da Off Field, que registra faturamento mensal de R$ 50 mil.

Segundo Corch, as empresas têm percebido que o esporte oferece excelentes oportunidades para interagir com os consumidores, por meio da realização de diferentes ações de marketing.

“Na área promocional, por exemplo, as organizações tendem a realizar eventos, concursos culturais e sorteios, além de convidar clientes e parceiros para assistir aos jogos,” afirma Corch.

O momento é de aumentar e qualificar as equipes, além de estar bem estruturado para tocar não só os projetos que estão em andamento, mas também os que estão por vir. É o que tem feito Eduardo Leite, diretor da Klefer, agência carioca que já acumula 27 anos de experiência na criação, desenvolvimento e comercialização de eventos esportivos.
Para se ter uma ideia, a meta da empresa é crescer 25% ao ano até 2014.

“Para a nossa engrenagem funcionar, contamos com 31 pessoas no Rio, 48 espalhadas por outras cidades do Brasil e algumas no exterior. Será preciso aumentar o nosso quadro até o fim do ano, mas o número exato de contratações ainda depende do andamento dos projetos que serão executados”, diz Leite.

Além de ser responsável pelos amistosos do time da África do Sul contra o Cruzeiro e a seleção do Paraguai, a agência trabalha no desenvolvimento de centros de treinamento de futebol de areia em Lagos, na Nigéria. Para Leite, o volume crescente de investimentos no setor só confirma a premissa de que o futebol é um produto premium dentro do mercado esportivo.

“Com a Copa do Mundo, o momento é ainda mais especial. Os anunciantes querem, desde já, estar inseridos no universo da bola. Os campeonatos estaduais e nacionais estão valorizados. Chegou a hora da criatividade, do profissionalismo e da qualidade falarem mais alto por meio da criação de projetos inovadores”, afirma Leite.

O cenário promissor tem levado até agências de marketing promocional, com foco em eventos corporativos, a investir mais no esporte. A Rio360, por exemplo, já está de olho nos eventos eliminatórios que as federações esportivas vão trazer para o Brasil.

“Até 2016 o Rio vai receber cerca de dez torneios mundiais, com os melhores atletas do mundo.
Todo o marketing corporativo virá a reboque disso: a tendência é que, cada vez mais, as empresas usem o esporte para falar com o público final”, afirma o diretor Gaetano Lopes.

Com um currículo que inclui participações na Copa realizada no Japão, e no Mundial Sub-20, na Argentina, a Benza, de promoções e eventos, já está trabalhando em projetos ligados à próxima Copa.

“Fizemos parcerias com empresas ligadas ao futebol tanto no Brasil quanto no exterior para surpreender os clientes”, comemora Alexandre Chalom, diretor de Operações.

Por Agência Sebrae

Fonte: Promoview

Deixe uma resposta