Império de Casa Verde levará Nova Schin para avenida

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Escola paulistana inclui "cervejão" em seu samba enredo e contará história da bebida no carnaval 2011

Ainda faltam mais de quatro meses para o carnaval do ano que vem. Mas alguns anunciantes já estão tomando suas decisões estratégicas para não faltarem à próxima edição da folia do Momo. O Império de Casa Verde, escola da zona norte de São Paulo, levará ao sambódromo em 2011 um enredo sobre a história da cerveja: "Samba sabor cerveja. Admirada há milênios, a mais nova sensação nacional". E, patrocinada desde 2009 pela Nova Schin, a escola resolveu fazer uma homenagem à marca: colocou o conceito "cervejão", lançado pela marca no início deste ano, na letra de seu samba enredo.

Procurados, tanto a escola quanto o anunciante ainda não comentaram o assunto. Em 2010, o Império falou sobre Itu – onde está a fábrica matriz da cervejaria – com patrocínio da própria Schincariol e da montadora Kia, que também tem sede na cidade. A escola, bicampeã do carnaval paulistano em 2005 e 2006, é conhecida por ter os carros alegóricos mais luxuosos entre as escolas de São Paulo.

A prática de inserir palavras e conceitos nos sambas tem se tornada comum nos desfiles. Isso porque os regulamentos da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) e da Liga das Escolas de Samba de São Paulo (LigaSP) proíbem qualquer merchandising explícito em alegorias, fantasias e até nas roupas dos empurradores de carros alegóricos – que, na verdade, fazem apenas figuração, por hoje ser tudo completamente motorizado.

A Nova Schin é patrocinadora oficial da transmissão dos desfiles de São Paulo pela Rede Globo e já renovou sua cota para 2011 – clique aqui para reler. Além disso, a cervejaria também foi, em 2010, a marca oficial do sambódromo paulistano, cota adquirida este ano.

Este ano, três ações de marketing foram bastante discutidas e geraram bastante buzz fora dos sambódromos. Em São Paulo, a Rosas de Ouro, que contou a história do chocolate, teve que mudar o refrão de seu samba e o nome de seu enredo a menos de um mês do carnaval, por exigência da Rede Globo, que transmite os desfiles. Isso porque a frase "O cacau é show" remetia claramente a um dos apoiadores da escola – a Cacau Show – e tal intervenção é proibida no regulamento. Mesmo assim a escola foi campeã do carnaval de São Paulo.

Já no Rio, a Portela, que falou de tecnologia em seu desfile deste ano, fez uma grande parceria com a Positivo Informática, intermediada pela agência Pepper. Além de incluir a marca na letra de seu samba, um carro alegórico formado por diversos telões mostrou imagens de foliões de todos os lugares do mundo – clique aqui para relembrar toda ação, que foi destaque até na versão online do Advertising Age.

Outra parceria de sucesso na Sapucaí foi realizada entre a Ambev e a Grande Rio. A escola de Duque de Caxias fez uma homenagem aos 25 anos do sambódromo carioca e não deixou de citar o camarote da Brahma – o "Nº 1", e os "guerreiros do carnaval" – conceito da campanha da marca da Ambev – em sua letra. O título no Rio ficou com a Unidos da Tijuca, que teve como apoiadores Vivo, LG, Schincariol e TAP.

Camarote Nº 1
O Camarote da Brahma, aliás, deu o que falar nesta sexta-feira, 22. Isto porque a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro aprovou o Projeto de Lei n° 715/2010, que solicita a devolução de parte do espaço em que ele é produzido para a construção de mais um bloco de arquibancadas, que possa elevar a capacidade do sambódromo carioca de 60 mil para 75 mil lugares. O local é uma fábrica desativada da Brahma e, por isso, o espaço é utilizado pela Ambev.

Em comunicado, a empresa afirmou que o camarote do ano que vem "já está em fase de produção e promete ser o melhor camarote dos seus 21 anos de Sapucaí" e que "entende a importância de colocar-se à disposição da Prefeitura quando solicitada para ceder o espaço do camarote para os projetos, para a revitalização da região da sua antiga fábrica de cervejas e a construção de mais um bloco de arquibancadas".

Por Renato Pezzotti

Fonte: m&m online

Deixe uma resposta