Processando toneladas de oportunidades

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Para antecipar a adequação à Lei 12.305, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), e que deve ter caráter obrigatório a partir do segundo semestre de 2013, a Oi e a empresa Descarte Certo – do Grupo Ambipar – anunciaram o lançamento de uma nova unidade de manufatura reversa em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Esta é a segunda fábrica inaugurada pelas duas companhias, que fecharam no final do ano passado parceria estratégica para a implantação de um parque industrial de manufatura reversa no Brasil.

No total, a Oi financiará a construção e ampliação de seis fábricas de reciclagem no país. Em contrapartida, a Descarte Certo prestará serviços de coleta, manufatura reversa e destinação final de resíduos produzidos pela Oi e seus fornecedores, clientes e colaboradores. Desde fevereiro, a Descarte Certo já vem realizando a coleta em lojas próprias e franquias exclusivas da Oi. O total do financiamento será de R$ 10 milhões ao longo de seis anos. A Descarte Certo aportará mais R$ 6 milhões na operação.

O investimento na unidade de Novo Hamburgo será de R$ 2 milhões. A fábrica terá capacidade de processamento de 150 toneladas/ mês, chegando a 1.800 toneladas por ano, o suficiente para atender mais de 10% da geração de resíduos eletroeletrônicos na região sul do país prevista para 2013. A Oi e a Descarte Certo estimam que o investimento no Rio Grande do Sul vai gerar cerca de 1 mil empregos diretos e indiretos.

"Com a inauguração desta unidade no Rio Grande do Sul, a Oi está dando continuidade ao processo, iniciado ano passado, de instalação de fábricas para reciclagem de lixo eletroeletrônico nas cinco regiões do país. Com essa iniciativa, a Oi reforça seu compromisso socioambiental com o país e se posiciona na vanguarda do setor de telecom em relação ao gerenciamento dos resíduos da atividade produtiva", explicou Bayard Gontijo, diretor de Tesouraria e Relações com Investidores da Oi.

Além da unidade em Novo Hamburgo, as duas empresas já contam com outra em Americana, em São Paulo, que passa por um processo de ampliação. As demais unidades serão instaladas no Amazonas, em Goiás, no Rio de Janeiro e na região Nordeste. A localização foi definida com base no mapa de consumo, com o objetivo de reduzir o custo ambiental e financeiro. Ao todo, as fábricas vão gerar cerca de cinco mil empregos diretos e indiretos. A capacidade de processamento total será de 1.200 toneladas de resíduos por mês, praticamente dobrando a capacidade instalada para processamento de lixo eletroeletrônico atual no país.

Na PNRS estão previstas a redução da geração de resíduos, a reutilização dos resíduos sólidos e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos. Também está prevista a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos, o que inclui desde os fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes até os consumidores, na logística reversa dos resíduos e embalagens pós-consumo.

Hoje, a Oi já realiza o gerenciamento do material descartado junto aos seus prestadores de serviços utilizando empresas de reciclagem homologadas pelos órgãos ambientais. São toneladas de produtos como cobre, alumínio e ferro, cabos de fibra ótica, baterias, cabos telefônicos, sucatas de informática, fibra de vidro, partes de peças de telefones públicos vandalizados, sucatas de mobiliário, entre outros. O objetivo é alcançar 100% de reaproveitamento dos produtos, com a reinserção destes materiais na cadeia produtiva.

Fonte: ClienteSA

Deixe uma resposta