Sem diferenças no marketing!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Autor: Abaetê Azevedo

Não há diferença entre o marketing direto, marketing de relacionamento ou qualquer outro ´apelido´ que se dá à comunicação dirigida, à comunicação one-to-ne. Existe a estratégia de trabalho, bem peculiar, que, em vez de criar e desenvolver a comunicação massiva, é feita para cada pessoa, respeitando seu perfil e expectativa.

As plataformas digitais trouxeram para a comunicação one-to-one um poder sem limites. Poder que se manifesta pelo conteúdo – que pode incluir o áudio e o vídeo em tempo real – e também em termos geográficos. Prova disso são as redes sociais que reúnem pessoas em torno de marcas, ideais e movimentos independentemente do país em que estão.

Com o desenvolvimento da tecnologia digital, a comunicação one-to-one se tornou uma ferramenta de alta eficácia para conquistar e fidelizar clientes. Assim sendo, o diálogo com os clientes em torno de produtos, marcas ou serviços pode se dar de maneira personalizada e rápida. Com isso, as marcas garantem valor agregado ao produto, ao oferecer aos clientes, pela comunicação digital, outros serviços que respondam aos anseios de cada pessoa. Com isso, elas continuam consumindo, tornam-se cativas das marcas, que as reconhecem e premiam sua fidelidade com descontos, brindes e milhagem, por exemplo. Portanto, a inovação, que se traduz nas ferramentas digitais, pode estar integrada à comunicação tradicional, trazendo desta maneira o consumidor para o centro das atenções de cada marca.

Hoje, muitas empresas estão investindo na comunicação digital e direta. Entretanto, ainda sem bagagem e histórico no uso destas mídias digitais, algumas delas não têm cuidado suficiente na escolha de suas agências, responsáveis por suas ações nas redes sociais, e assim podem experimentar um retorno às vezes oposto ao desejado, colocando suas marcas expostas às críticas que correm nestas redes, minuto a minuto. É nas redes que mora o perigo, em que surgem as vítimas desta transição, já que é o consumidor que produz conteúdo, o que tem o poder de elogiar ou criticar suas boas ou más experiências com produtos e marcas.

É necessário ter agências totalmente especializadas, com profissionais diversificados – jornalistas, sociólogos, psicólogos – que, junto com criativos e blogueiros, possam, de maneira segura, construir um diálogo honesto com os internautas.

Prova disso tudo é que grandes empresas como a Apple, Google, Amazon Books e outras da área digital desenvolveram e investiram pesado em programas de comunicação one-to-one com seus usuários. A elas, se somam hoje marcas mais tradicionais, como Pepsi, Vivo, Itaú e MasterCard, por exemplo, que têm dado a maior atenção à comunicação digital e direta com o consumidor.

Abaetê Azevedo é CEO da Rapp Brasil e América Latina

Fonte: ClienteSA

Deixe uma resposta