Líder – Coração ou Razão?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Falamos sempre em liderança, associando-a a gestão, estratégia, administração de conflitos, mediação, caráter, poder de decisão e capacidade em lidar com a complexidade humana, levando em consideração a visão positiva de construção de algo. Deepack Chofra afirma que o líder é a expressão simbólica de uma coletividade, que carrega consigo uma saga de sucessos e fracassos de uma população, seja em conflitos sociais ou libertação de processos de opressão. Temos como exemplo Gandhi, que desenvolveu uma autoridade moral mediante a visão, a disciplina e a paixão, regidas pela consciência de transformação social.

Partindo da minha própria vivência, como líder de uma organização e como uma profissional que desenvolve treinamentos para os líderes de empresas nacionais e multinacionais em Pernambuco, observei que Gerir pessoas, significa adquirir a capacidade de influenciar e desenvolver os talentos (competências) dos liderados, fazendo uma construção saudável e sólida entre as necessidades individuais e as necessidades organizacionais. O líder assume o papel de um mediador dentro da organização, envolvido em processos de manutenção da estrutura organizacional, manipulando ou libertando os liderados para a própria autonomia. Esse papel dúbio gera conflitos e medos que podem interferir diretamente nos resultados da sua equipe de trabalho.

A literatura norte-americana não observa este prisma, adota uma atitude mais funcionalista. Investiga-se a personalidade do "bom" líder, através do que eles podem fazer pelas organizações – "Bom" para quem: si próprio, empresa, liderados ou o sistema vigente na sociedade da cultura para a produtividade?

Raramente se investiga a relação CORAÇÃO-RAZÃO. Quais os sentimentos pessoais dos líderes no exercício da sua função? O que pensam? Como vêem a responsabilidade de conduzir pessoas? Como compartilham ou não com sua família a grande tarefa de estar em suas mãos os desejos, as expectativas e as necessidades dos liderados? Como se sentem, de fato, como pessoas, tomando determinadas decisões, às vezes incompatíveis com a sua essência? Quais vantagens e desvantagens que a liderança trás para sua vida pessoal e profissional?

Geralmente desenvolvem distúrbios psicossomáticos, criam couraças para se defenderem de algo que não concordam ou não desejam nem para si nem para os liderados. Rotulam-se muitas vezes de super heróis para liderar dentro de estruturas que não trazem conforto afetivo e profissional. Então, como lidam com suas necessidades, suas angústias, suas decisões, sua agressividade, sua raiva, enfim, a sua própria identidade?

Estas questões essenciais não são abordadas nos treinamentos sobre Liderança. O enfoque é: qual a melhor atuação do líder para conseguir produtividade na empresa? Muitas vezes, receitas motivacionais que não possuem os ingredientes que facilitam a compreensão da verdadeira liderança. O discurso é do tipo o "líder deve desenvolver a compreensão, o espírito de equipe, a solidariedade e a comunicação" – desenvolver como? Sem um preparo e sem saber como definir de fato questões tão subjetivas.

Fonte: Vera Lúcia da Conceição Neto

Deixe uma resposta