O capital humano por trás do preço baixo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Há muito tempo brasileiros têm ido aos Estados Unidos e outros países em busca de mercadorias com preço baixo, e ao chegar lá se assustam com o baixo custo especialmente no setor têxtil onde conseguem encontrar casacos infantis forrados e até com capuz de marcas importantes por apenas U$3,00.

Está discrepância de preço revolta a todos, e nos faz ver como estamos acostumados a pagar caro e aceitar esta condição. Porém, quando está fazendo suas compras você alguma vez parou para pensar como esta peça chegou até você? Como é possível que alguma empresa lucre e ainda pague os custos com um valor tão baixo na mercadoria?

Convido vocês a refletirem o que é necessário negligenciar para que o consumidor pague tão pouco, e para isto tenho dois bons exemplos que me tocaram muito ao conhecer, em 2005 foi lançado o documentário China Blue onde mostrava a vida de uma garota do interior que foi trabalhar em uma grande fábrica de jeans na cidade que por sua vez, assim como muitas outras empresas, se aproveitam do fato de estar em um país com pouca possibilidade de qualidade de vida e deixam seus funcionários em condições de habitação e trabalho praticamente escravas.

Estes são apenas dois casos entre muitos que mostram como é preciso burlar as leis, agredir o meio ambiente e especialmente quantas pessoas se sacrificam com trabalhos sub-humanos para aumentar a lucratividade das fábricas e nos possibilitar pagar menos? Será que o custo de uma peça realmente paga todas essas consequências? Já não está na hora, diante de tantos protestos e lutas, de começarmos a pensar nas nossas ações e comprar de empresas confiáveis, que possuam selo de qualidade para comprovar que acima de um bom produto há responsabilidade social?

Pare e pense, quantos chineses deverão trabalhar 20 horas por dia, quantos bolivianos deverão vir ilegalmente para São Paulo e se esconderem dentro das oficinas, quantas empresas deverão desabar (como no caso de Bangladesh) para que comecemos a cobrar que nossos produtos devem fazer bem não apenas para o bolso, mas também para as condições humanas? Quantos?

Fonte: Administradores

Deixe uma resposta