Mais viável e sustentável

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

O Banco do Brasil inaugurou na tarde desta quinta-feira (14), em Salvador (BA), o primeiro ponto de autoatendimento do tipo quiosque, com 100% de utilização da energia solar. O projeto pioneiro no sistema bancário foi desenvolvido em parceria com a escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, UFBA, e possibilitou a construção de edificação autossustentável no consumo de energia elétrica.

Localizado no campus da UFBA, o quiosque utiliza sistema solar fotovoltaico interligado à rede da concessionária de energia elétrica. A energia gerada será consumida pelo próprio quiosque e o excedente repassado para a rede comercial da concessionária, conforme regulamentação da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

A solução utilizada é do tipo "on grid". Ao contrário do sistema convencional, não utiliza baterias para armazenar a energia excedente gerada, o que diminui o investimento inicial, custos de manutenção e reposição, além de eliminar a utilização de substâncias poluentes ao meio ambiente.

Nesse tipo de sistema, que não permite o armazenamento de energia, quando o consumo for superior a geração solar, a concessionária fornece a energia complementar e, quando a energia solar gerada for superior ao consumo, o excedente é enviado para rede da concessionária. No final do período de faturamento mensal, os créditos da geração excedente que foi enviada à rede e a energia consumida da concessionária são contabilizados, o que neste caso deve resultar em créditos de geração ao Banco do Brasil.

A previsão de geração anual de energia solar fotovoltaica é de 7.021 kWh. De acordo com o projeto, o consumo estimado para a unidade de autoatendimento do BB é de 6.935 kWh/ano. A energia excedente gerada anualmente, de cerca de 86 kWh, será "vendida" para a concessionária em forma de crédito de consumo. A vida útil dos painéis é de 25 anos e a expectativa do Banco do Brasil é de que a redução dos preços dos sistemas fotovoltaicos contribua para viabilizar economicamente o uso operacional da energia.

Fonte: ClienteSA

Deixe uma resposta