Neuromarketing. Um conjunto de ferramentas a serviço da pesquisa de mercado

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Possibilidades e limitações desse novo campo de investigação mercadológica

Considerando que, nos últimos anos, o neuromarketing vem ganhando credibilidade e espaço no mercado de pesquisas de marketing, Prof. Pedro Calabrez Furtado, sócio-fundador da NeuroVox e professor da Pós-Graduação da ESPM, destaca a necessidade de uma percepção clara a respeito das possibilidades e limitações desse novo campo de investigação. Somos capazes de ler a mente do consumidor? O neuromarketing tornará obsoletas as tradicionais metodologias de pesquisa de mercado? Em palestra promovida pela ESPM, Calabrez abordou diversas questões a respeito do tema com o objetivo de desmistificar o neuromarketing, situando-o na realidade prática da pesquisa de mercado.

Segundo o especialista, neuromarketing é um conjunto de metodologias e ferramentas embasadas na neurociência, desenvolvido para colaborar com a pesquisa de marketing, na identificação e interpretação do comportamento do consumidor. Pode-se afirmar que neuromarketing é a aplicação de tecnologias neurocientíficas em pesquisas mercadológicas. Ou seja, é a união da ciência e do marketing para explicar a motivação do consumidor em relação à preferências, escolhas e decisões.

Ferramentas como a Eletroencefalografia (EEG) – análise gráfica das correntes elétricas do encéfalo registrada por eletrodos aplicados no couro cabeludo – a FER (Facial Expression Recognition) – reconhecimento das expressões faciais – e a Neuroimagem por Ressonância Magnética Funcional são exemplos das tecnologias utilizadas pelo neuromarketing em pesquisas, que pretendem analisar ativações cerebrais de consumidores em contato com determinada peça publicitária ou promocional, produto, embalagem ou marca.

Considerando que, nos últimos anos, o neuromarketing vem ganhando credibilidade e espaço no mercado de pesquisas de marketing, Prof. Pedro Calabrez Furtado, sócio-fundador da NeuroVox e professor da Pós-Graduação da ESPM, destaca a necessidade de uma percepção clara a respeito das possibilidades e limitações desse novo campo de investigação. Somos capazes de ler a mente do consumidor? O neuromarketing tornará obsoletas as tradicionais metodologias de pesquisa de mercado? Em palestra promovida pela ESPM, Calabrez abordou diversas questões a respeito do tema com o objetivo de desmistificar o neuromarketing, situando-o na realidade prática da pesquisa de mercado.

Segundo o especialista, neuromarketing é um conjunto de metodologias e ferramentas embasadas na neurociência, desenvolvido para colaborar com a pesquisa de marketing, na identificação e interpretação do comportamento do consumidor. Pode-se afirmar que neuromarketing é a aplicação de tecnologias neurocientíficas em pesquisas mercadológicas. Ou seja, é a união da ciência e do marketing para explicar a motivação do consumidor em relação à preferências, escolhas e decisões.

Ferramentas como a Eletroencefalografia (EEG) – análise gráfica das correntes elétricas do encéfalo registrada por eletrodos aplicados no couro cabeludo – a FER (Facial Expression Recognition) – reconhecimento das expressões faciais – e a Neuroimagem por Ressonância Magnética Funcional são exemplos das tecnologias utilizadas pelo neuromarketing em pesquisas, que pretendem analisar ativações cerebrais de consumidores em contato com determinada peça publicitária ou promocional, produto, embalagem ou marca.

Por Elisabeth Guimarães – Grupo Bríndice

Fontes:
Ciclo de Palestras na ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing / Propmark

Deixe uma resposta