Quando a ética fala mais alto na profissão

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Antes ser mandado embora por ser honesto do que conviver “participando” dos deslizes de gestores e nela ser cúmplice apenas para proteger o sagrado salário no final do mês, certo? Claro que não! É o que uma grande parcela de profissionais fazem.

Na verdade poucos têm a coragem de arriscar seus pescoços denunciando corrupção ou rompimento das diretrizes da companhia preservando assim sua ética perante seus funcionários e principalmente seus clientes.

Mesmo que diversas empresas possuam algum tipo de canal de denúncia e com uma linha direta sigilosa ou anônima, este tipo de denuncia ainda é muito tímido entre as empresas, por receio de retaliação ou serem descobertos por alguma falha neste processo, afasta os denunciantes “as boas almas” e com ela a chance de dar um basta nas práticas ilícitas de pessoas com suas artimanhas e jeitinhos.

Foi-se o tempo em que grandes homens de negócios confiavam apenas em suas palavras, uma vez dita deveria ser cumprida à risca para que sua honra não se seja manchada, hoje em dia com tanta facilidade e tecnologia, os famosos “jeitinhos” em resolver as coisas, às vezes digamos inconsciente e em sua maioria consciente, põem em risco toda a estrutura da empresa e anos de conquistas e planejamentos podem vir a ruina em apenas um telefonema anônimo.

Uma denúncia mesmo sem provas é desabafada por profissionais geralmente quando já são demitidos, então espalham e-mails anônimos relatando toda a sujeira que ocorre no seu departamento bem como nomes de envolvidos, datas, horários, valores e assim por diante, digamos ser um caminho mais comum praticado pelo denunciante, raras são as vezes que a denuncia chega aos ouvidos da empresa ou de algum canal específico quando o funcionário ainda está em atividade, esses raros casos são de corajosos, destemidos e com um único objetivo: manter uma ética primeiramente de sua profissão e segundo a empresa de onde trabalha.

A honestidade deve estar presente em cada um de nós profissional seja de qualquer ramo, não deve jamais se vangloriar e confundir honestidade como um diferencial para o currículo, o famoso “inchar currículo”, é comum ouvir de algumas pessoas que a sua maior qualidade é a honestidade, oras isto deve ser obrigação de todos, porém poucos têm o hábito de praticá-la, deve esta ser uma essência de todo o ser humano que procura ser justo e correto em todas as suas atividades e se há algum mecanismo ou canal que a empresa lhe assegura sigilo, porque não fazer se sabes que é o correto a ser feito?

O profissional também nunca deve entrar no automático aceitando a qualquer ordem de imediato, deve-se praticar o bom senso e ter o discernimento claro do que é certo ou errado a se fazer, a forma que está fazendo hoje é clara para a empresa, está de acordo com as normas ou a política da empresa, está sendo justo para com todos? Se eu participar não estou indo contra meus princípios moral?

Se você achar que não é o correto a fazer, questione, retruque entenda e porque não recusar-se fazer? Se você acha que irá contra os princípios éticos e moral de sua profissão porque então executar apenas para garantir o pingado no final do mês?

Caso seja forçado a participar, e se persistirem essas intimidações e prática ilícita denunciem primeiro a um canal que a empresa oferece, questione prazo para a solução e em último caso procure o ministério do trabalho, sindicato e ou outro órgão competente, se embase durante o processo, mantenha tudo documentado e confronte com as normas da profissão ou da empresa veja o que está fugindo dos eixos antes de partir adiante.

Se os processos da empresa exigem assinaturas, carimbos, e-mail porque então se queimar profissionalmente apenas fazendo pela boa e velha amizade?

Primeiramente a ética, seus princípios e depois as coisas materiais, como diz o ditado popular, amigos são amigos, mas os negócios à parte, sempre durma com a sua consciência em paz.

Sucesso!

Fonte: Administradores

Deixe uma resposta